quinta-feira, 29 de julho de 2010

caras

um poema meu sobre o tempo dos olhos do cachorro saiu na revista caras. na capa, aparece a adriane galisteu grávida. acima do trecho do meu poema, dois cachorros bonitinhos se entreolham. de início, fiquei brava; depois, condescendente e agora, um pouco feliz. ingresse no mundo feio, meu poema, vá até a cerimônia do casamento de georgette mirna e ao batizado do filho do jogador do atlético mineiro. espie por baixo dos vestidos versace e conheça o castelo de caras em punta del este. siga o seu caminho, meu poema e me mostre de volta o que eu ainda não conheci.

8 comentários:

  1. fique brava, não, deixe o menino ganhar o mundo.
    sábado eu vi essa revista e li seu poema. o primeiro poema seu que leio, quando fui cortar o cabelo. chovia e foi terno

    ResponderExcluir
  2. Juliana Valentini29 de julho de 2010 16:01

    Noemi,
    belíssimo raciocínio! Não li o poema mas tenho certeza de que, além de conhecer as altas rodas da sociedade brasileira, ele deve conseguir cutucar os neurôniozinhos de uns e outros leitores de Caras. Sortudos, eles.
    Beijo!
    Juliana

    ResponderExcluir
  3. Juliana Valentini29 de julho de 2010 16:10

    Eu de novo. Lembrei que queria contar um diálogo que rolou aqui em casa.
    Eu a a faxineira nova:

    - Então você tem filhos, Olga... como são os nomes?
    - Felipe, Noemi e Natália.
    - Bem bonitos, você tem bom gosto. E Noemi não é um nome comum...
    - É... na verdade eu queria que ela se chamasse Késia, mas aí todo mundo começou a falar pra colocar Noemi, Noemi, Noemi...
    - Todo mundo quem?
    - Ah, as pessoas da minha família, os vizinhos, as meninas que moram lá na minha rua... daí eu resolvi mudar, porque sabe, eu escuto muito o que os outros falam, todo mundo consegue fazer a minha cabeça fácil fácil.
    - Ah, Olga, eu achei que a mudança foi muito boa. Eu não conheço nenhuma Késia mas conheço uma Noemi, e além de achar o nome muito mais bonito a Noemi que eu conheço é incrível, eu gosto muito dela.
    - Olha aí, tá vendo como é bom ir pela cabeça dos outros...

    ResponderExcluir
  4. Estou curioso para ler o poema. Deve ser algo diferente do que se lê aqui, para ter saído em uma revista do naipe da Caras.
    Não?

    ResponderExcluir
  5. Noemi, você devia sentir orgulho dessa infiltração! Aposto que seu poema está se divertindo como observador antropológico nesta noite de gala, olhando a Narcisa Tamborindeguy bêbada dar um chilique, o Roberto Justus reclamar que o pro-secco é de segunda e a Galisteu posando de ladinho pra disfarçar as pernas inchadas.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Li seu poema por acaso na Caras e meu coração se alegrou... O que nós fazemos de bom, o mundo abraça.

    ResponderExcluir