segunda-feira, 25 de março de 2013

fisofolia

sabe aquela piada do português que, ao ver um amigo carregando um aquário, infere que deve ser um presente para os seus filhos e que, portanto, o camarada é casado e portanto não é homossexual? e, em seguida, ao ver outro amigo passando na rua sem um aquário, infere imediatamente que, se ele não carrega um aquário, é homossexual? pois bem, dizer que quem é contra o racismo, o sexismo e o machismo também é favorável aos direitos dos coprofílicos ( quem faz sexo com fezes) é seguir a mesma linha de raciocínio. isso é o que eu chamo de fisofolia.

apud texto de hoje, vinte e cinco de março, em coluna de um jornal de são paulo.

3 comentários:

  1. assim ficamos todos sem apetite.

    ResponderExcluir
  2. o verso sempre pode ser um poema, assim como o verso pode ser a contracapa, assim como pode querer ser o reverso ou o inverso de questões intrincadas. cada qual dardeja - português ou turco - as suas convicções (des)temperadas. quanto as filososfices, querendo ou não, eu sempre acabo as louvando!...

    ResponderExcluir
  3. fiquei pensando nos peixinhos se beijando no aquário, alheios às mãos que os transportaram ou àquelas que os deixaram de transportar; alheios às filosofias de uns e tb às fisolofias de outros. apaixonados, nadam nas águas saturadas do aquário; talvez, alheios à memória das águas mais limpas e profundas do oceano de onde vieram. não só os homens se afastam da natureza... olho os peixinhos que continuam nadando... estão apaixonados, deveras.

    ResponderExcluir